domingo, novembro 22, 2009

Barreiras Idiomáticas e o Humor

A diversidade de idiomas e culturas que nós humanos temos dentro de um mesmo planeta é surpreendente. Assimilar um outro idioma leva anos e mesmo assim representa um terreno frágil ao bom comunicador que ainda quer ser cortês.

Assim, é as diferentes línguas apresentam um prato cheio para o Humor, incluindo aqueles que não se dão ao trabalho de aprender as particularidades de um idioma estrangeiro e o reduzem à sua sonoridade que recebe com os ouvidos treinados no idioma local.

Curiosamente os dois idiomas que mais são satirizados são o inglês e o italiano. Exemplifico aqui com uma piada (em inglês) e dois vídeos que recebi por email.

A bus stops and two Italian men get on. They sit down and engage in an animated conversation. The lady sitting next to them ignores them at first, but her attention is galvanized when she hears one of them say the following:

“Emma come first. Den I come. Den two asses come together. I come once-a-more. Two asses, they come together again. I come again and pee twice. Then I come one lasta time.”

“You foul-mouthed sex obsessed swine,” retorted the lady indignantly. “In this country we don’t speak aloud in public places about our sex lives…”

“Hey, coola down lady,” said the man. “Who talkin’ abouta sex? I’m a justa tellin’ my frienda how to spell “Mississippi”.

Um vídeo do seriado de animação Family Guy (Uma Família da Pesada).

E uma piada em áudio. Depois fizeram um vídeo para ilustrá-la, mas tira o foco do duplo sentido. Aconselho a só ouvir o áudio.

Agora, no território Francês – Inglês, a deliciosa atuação de Steve Martin como Inspetor Closseau no filme “A Pantera Cor-de-Rosa”. Sendo ele um inspetor francês tentando soar como nativo na pronúncia do Inglês dos EUA.

Claro, para nós Brasileiros, um excelente professor da correta pronúncia do Inglês seria o Arthur,  que mesmo ensinando com a melhor exatidão possível, é hilário nos exemplos utilizados.

Por fim, um exemplo da comediante Catherine Tate que coloca todos os clichês idiomáticos em uma mesma panela ao querer se passar por uma intérprete em várias línguas.

sexta-feira, agosto 28, 2009

Comida e Erotismo



Essa capa de revista, está demais.


Me lembrou muito esse vídeo com a Paris Hilton.

sábado, junho 27, 2009

Michael Jackson



Eu não sou de me emocionar com a morte de alguma personalidade só porque ela é famosa. Mas com Michael Jackson foi diferente. Não por ser o mais influente artista de música pop e coreografia das últimas décadas mas por causa de sua história pessoal e seu interrompido futuro.

O que agravou o meu sentimento era notícia de que ele pretendia voltar a fazer shows e estava ensaiando para isso. Não vou ser ingênuo e dizer que sua volta seria triunfal e estaria no mesmo nível do auge de seu sucesso, nos anos 90. Nessa época, a cena musical era outra, a indústria musical não estava em crise e Michael era, literalmente, o Rei do Pop, com o orçamento para disco, clipe e show que precisasse.

Assim, eu sabia que o seu glorioso passado estava intocável, mas difícil de ser repetido. Mesmo assim, estava ansioso para ver essa nova fase de Michael Jackson como artista, ver a sua volta por cima e até mesmo ir pessoalmente em um show do Michael.

Meu pesar com Michael Jackson foi mais pela a pessoa do que pela celebridade. O pouco da pessoa que podemos conhecer e compreender. Todos temos nossas fraquezas e vícios, e se você julgar os seus menores que de do astro do Pop, Michael Jackson, é porque você menospreza o poder da mídia de enlouquecer. Experimente ter toda sua vida privada exposta nos tablóides e os atos que gostaria de não ter cometido registrado pela imprensa.

Mas não é só culpa da mídia. Michael Jackson foi uma vítima de seu talento. Já garoto teve o assédio da mídia e a pressão da família para continuar no estrelato. Imagino eu, que em todos os anos que se seguiram, ele foi um joguete de produtores que o viam como uma máquina de caça-níquel. Isso fica claro em uma de suas últimas declarações de que ele estava cansado, que não pretendia fazer a quantidade de shows que lhe foi imposta em um só lugar, que preferia voltar em uma turnê mundial.
Porque o Rei do Pop não pode decidir a sua agenda?

Ainda sim, se Michael foi uma pessoa perturbada pela mídia, família e seus demônios, só tenho motivos maiores para admirá-lo agora como personalidade. Pois ele nunca levou tristeza ou sua agonia para os palcos. Como artista performático ele sempre foi um excelente profissional. Diferente de outras bandas e artistas que vão ao palco bêbados e/ou drogados mal conseguindo cantar sua própria música mostrando um extremo desrespeito de quem pagou para ver seu show.

Michael, mesmo em seu inferno pessoal trazia em suas letras e gestos a esperança de um mundo melhor. E nada como tentar construir esse mundo pode ser uma melhor forma de homenageá-lo.

terça-feira, março 17, 2009

Matemática do Mendigo

Recebido por e-mail e vale a pena divulgar. Num próximo post publico minhas considerações.
---

Preste atenção nessa interessante pesquisa de um estagiário...

Um sinal de trânsito muda de estado em média a cada 30 segundos
(trinta segundos no vermelho e trinta no verde). Então, a cada minuto
um mendigo tem 30 segundos para faturar pelo menos R$ 0,10, o que numa hora dará: 60 x 0,10 = R$6,00.

Se ele trabalhar 8 horas por dia, 25 dias por mês, num mês terá faturado: 25 x 8 x 6 = R$1.200,00.

Será que isso é uma conta maluca?

Bom, 6 reais por hora é uma conta bastante razoável para quem está no sinal, uma vez que, quem doa nunca dá somente 10 centavos e sim 20, 50 e às vezes até 1,00.

Mas, tudo bem, se ele faturar a metade: R$ 3,00 por hora terá R$600,00 no final do mês, que é o salário de um estagiário com carga de 35 horas semanais ou 7 horas por dia.

Ainda assim, quando ele consegue uma moeda de R$1,00 (o que não é raro), ele pode descansar tranqüilo debaixo de uma árvore por mais 9 viradas do sinal de trânsito, sem nenhum chefe pra encher por causa disto.

Mas isto é teoria, vamos ao mundo real. De posse destes dados fui entrevistar uma mulher que pede esmolas, e que sempre vejo trocar seus rendimentos na Panetiere (padaria em frente ao CEFET). Então lhe perguntei quanto ela faturava por dia. Imagine o que ela respondeu?

É isso mesmo, de 35 a 40 reais em média o que dá (25 dias por mês) x 35 = 875 ou 25 x 40 = 1000, então na média R$ 937,50 e ela disse que não mendiga 8 horas por dia.

Moral da História :

É melhor ser mendigo do que estagiário, e pelo visto, ser estagiário é pior que ser Mendigo...

Se esforce como mendigo e ganhe mais do que um estagiário.

Estude a vida toda e peça esmolas; é mais fácil e melhor que arrumar emprego.

terça-feira, setembro 30, 2008

Pleonasmo Day

O Pleonasmo é uma figura de linguagem que na linguagem cotidiana se tornou um vício de linguagem.
Já falei em outro post que os pleonasmos variam dos mais óbvios como "subir pra cima" até os mais sutis como "há dois anos atrás".

Assim, decidi criar com um amigo o Dia do Pleonasmo, um meme pelo Twitter para postar propositalmente com pleonasmos. O objetivo é ver a enorme gama de possibilidades tautológicas, além de chamar a atenção para as redundâncias que já passam despercebidas pela maioria das pessoas.

Para ser mais claro e também se divertir com o assunto, veja esse vídeo, depois, você pode acompanhar o meme pelo Twitter pela tag #pleonasmoday.



Nós na fita - Pleonasmo

segunda-feira, setembro 22, 2008

Arte com Caneta Bic

Eu sempre adorei o traço que a caneta Bic faz. A cor da tinta com a simplicidade do produto, dá um toque caseiro e informal ao que for apresentar.

Qual não foi minha surpresa ao descobrir um artista que ao invés de óleo sobre tela usa caneta Bic sobre papel. Juan Francisco Casas é o mestre de obras primas como essa:
Parece uma fotografia. Só se aproximando mesmo do papel que se consegue ver os minúsculos traços rabiscados.
Para ver mais trabalhos dele, visite seu site oficial.

terça-feira, agosto 19, 2008

Trailers Comparados

O último filme do Batman, o Cavaleiro das Trevas, é uma refilmagem da primeira versão, com o Jack Nicholson no papel de coringa. Eis que alguém monta os dois vídeos lado a lado (ou no caso, um em cima do outro).

As semelhanças são incríveis, mas mesmo desconsiderando de se tratar de filmes já esperadamente similares, é interessante observar como a sequência e inclusive o ritmo da montagem é padrão. Não é à toa que se chama indústria cinematográfica.

Reblog this post [with Zemanta]